João Drummond

O homem, a partir das escritas e pinturas rupestres tem contribuído decisivamente para que este quebra-cabeça da Vida chegue até nós, e que se monte peças visuais e auditivas que se aproximam tanto quanto possível da realidade que ficou para trás. Como nada se perde nada se cria, tudo se transforma, podemos supor que os sons, imagens e odores produzidos pelo movimento da vida pulsante, tenham sido arremessados para os confins do Universo transportados pelas ondas de luz e pelos ventos cósmicos. E quem sabe estes sinais não possam, a exemplo dos brilhos de estrelas que chegam ate nós, milhares de anos depois de extintas, dar a alguma civilização mais evoluída, e dotada de tecnologia sofisticada, (até mesmo o homem do futuro), o testemunho vivo e real, com sons, cores e cheiros deste movimento pulsante da vida? A literatura e as artes plásticas evoluíram desde os tempos pré-históricos, e continuam a produzir registros deste movimento continuo, e a interferir no córtex cerebral, promovendo a inteligência do futuro, que terá como missão conduzir o bastão da corrida evolucionaria, ou então promover a nossa extinção como raça.

Publicado por joaodrummond

Poeta, escritor, jornalista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *